Alcoolismo

Vejo a agonia em que estás. Sinto o sofrimento que estás a passar e sei que aquilo que faço parece o pior acto de todos. Não é. Estou a fazer tudo para teu bem e admito que, às vezes, apetece-me desistir e deixar que te entregues à doença. Pelo menos, por momentos, tudo ficaria resolvido e talvez vivêssemos um momento de paz. Não posso fazer isso, seria a escolha mais fácil.

Não posso.

Casa

A minha casa sempre representou o meu lar, o meu aconchego, o meu porto de abrigo. Nestes dias que passam, sinto tudo menos vontade para lá entrar. Sei que vou encontrar um cenário triste: tu e o álcool.

Que triste vida a minha. Vale-me a amizade e o trabalho. Menos mal, não é? Nem tudo está perdido, mas queria ter o meu coração sereno e quente.

Incógnita

Dúvidas sobre o futuro, sobre o que será de nós. O que será de ti? E eu onde é que fico? Onde é que vou acabar?

Tenho a cabeça a mil à hora, não consigo fixar-me num pensamento nem distanciar-me daquilo que sinto. Do que sinto por ti.

O que nos acontecerá?