Alcoolismo

“O ALCOOLISMO E OS ALCOÓLICOS

Até há bem pouco tempo o alcoolismo era considerado como um problema moral. Hoje, muitos consideram-no principalmente como um problema de saúde. Para cada bebedor-problema, será sempre um assunto muito pessoal. Os alcoólicos que procuram AA fazem frequentemente perguntas relacionadas com a sua própria experiência, os seus próprios medos e a sua própria esperança de encontrar uma vida melhor.

O QUE É O ALCOOLISMO?

Há muitas ideias diferentes acerca do que o alcoolismo é na realidade. A explicaçăo que parece fazer sentido para a maioria dos membros de AA é que o alcoolismo é uma doença, uma doença progressiva que nunca pode ser curada mas que, tal como outras doenças, pode ser detida. Indo um pouco mais longe, muitos membros de AA acham que a doença é a combinaçăo de uma alergia ao álcool com uma obsessăo mental pela bebida que, apesar das consequências, năo pode ser vencida somente pela força de vontade.

Antes de entrarem em contacto com AA, muitos alcoólicos que năo conseguem parar de beber consideram-se moralmente fracos ou até mentalmente desequilibrados. Para AA os alcoólicos são pessoas doentes que podem recuperar se seguirem um programa que é simples e que tem tido sucesso com mais de um milhão e meio de homens e mulheres.

Depois de o alcoolismo se ter instalado, năo existe nada de moralmente errado com o facto de se estar doente. Nesta altura a força de vontade năo resulta porque o doente perdeu o poder de escolha sobre o álcool.  O importante é que ele encare de frente que é um doente e que aproveite a  ajuda ao seu dispor. Também tem de ter o desejo de ficar bem. A experiência mostra que o programa de AA funcionará para todos os alcoólicos que forem sinceros no seu esforço para parar de beber, mas geralmente năo resultará para aqueles que năo estăo absolutamente seguros de querer parar.”

informação do site Alcoólicos Anónimos – Portugal

O alcoolismo é uma doença e, como tal, devemos admitir que existe e tratá-la rapidamente se a identificarmos em alguém próximo de nós. Não dar tréguas é uma necessidade e quem está sob o efeito desta maleita precisa de ajuda, apoio, compreensão e amor.

Está a tornar-se insuportável viver com alguém “doente com esta doença”, tudo aquilo em que acredito parece estar a desmoronar-se, os planos para o futuro já não parecem alcançáveis, nem a rotina parece sustentável. Também estou triste, admito. Mas eu amo o meu marido e quero ajudá-lo.